148 sites bloqueados por memorando antipirataria durante um ano

 

 

transferir_1

Desde a assinatura do memorando de entendimento contra a pirataria, em julho de 2015, a IGAC pediu às operadoras de telecomunicações em Portugal para bloquearem o acesso a 448 sites, revelou ao TeK.

A entidade de supervisão das atividades culturais faz assim um balanço numérico do acordo que entrou em funcionamento em agosto do ano passado, envolvendo diferentes partes, desde representantes do sector a associações de defesa do consumidor, com o objetivo de combater a partilha online, sem autorização, de conteúdos protegidos por direitos de autor.

Os números apontados por Luís Silveira Botelho, inspetor-geral da IGAC, coincidem com os também avançados ao Tek pela GEDIPE, que atua com a MAPINET na identificação dos sites para pedido de bloqueio. “Reportámos cerca de 450 websites e tanto quanto apurámos todos foram bloqueados”, referiu Paulo Santos, diretor geral.

Segundo o responsável, tal mostra que o número de sites que partilham conteúdos sem autorização, e por força disso de forma manifestamente ilegal, não tem diminuído significativamente, podendo concluir-se que os valores “estão dentro das expectativas inicialmente previstas”.

Além disso, Paulo Santos garante que, até à data, nenhum dos sites apontados e posteriormente bloqueados no âmbito do memorando de entendimento manifestou intenção de recorrer da decisão, “antes pelo contrário, mantêm o anonimato subjacente a este tipo de atividade”. Daí que as acusações de falsos positivos não façam sentido.

“A determinação do impedimento de acesso é o resultado da análise e de uma avaliação aturada de todas as queixas/denúncias submetidas à IGAC pelos titulares de direitos ou seus representantes, onde se incluem, naturalmente, as submetidas no âmbito do memorando referido”, garante Luís Silveira Botelho.

“Considerando que a avaliação formulada permite, com precisão, identificar a disponibilização de obras protegidas, nestes sítios da internet, totalmente à margem de qualquer tipo de autorização dos titulares de direitos, até ao momento apenas existiram, muito pontualmente, alguns pedidos de informação, eminentemente associados ao procedimento”, acrescenta.

No seu todo, o inspetor-geral da IGAC avalia o acordo como “extraordinariamente positivo”, defendendo que “os mecanismos de colaboração disciplinados no memorando contribuem fortemente para uma interlocução mais estreita e eficaz entre as diferentes entidades que o subscreveram e, por conseguinte, para uma melhor e mais eficaz aplicação do disposto na Lei do Comércio Eletrónico”.

Além disso, o responsável considera que a aplicação dos instrumentos previstos no memorando tem também contribuído “para o esclarecimento de muitos internautas que desconheciam esta realidade e os sérios e graves prejuízos associados, do ponto de vista cultural e económico”.

( Fonte )

Anúncios
Esta entrada foi publicada em Internet. ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s